domingo, 13 de janeiro de 2019

37.Mulheres bissexuais e lésbicas x homens héteros

Há quem ache que nós, somente por gostarmos de mulheres nos comportemos como um homem heterossexual na hora da conquista, ma isso não é verdade. A maioria das meninas  na realidade, principalmente as manas bi pelo que vejo, têm grande dificuldade em chegar em uma mulher, não utilizam de abordagens diretas e agressivas, justamente por medo de ser  desrespeitosa, o que j[a não acontece muito com os homens, que pelo incentivo natural da abordagem são mais diretos e muitas vezes inconvenientes. Eles já  parecem ter aquela confiança de que "chegou, tá no papo", porque é o esperado, é o convencional. Nós lidamos com receios, medo de ser desagradável e ainda pior, medo de não sermos aceitas por sermos bi (sim, ainda há lésbicas bifóbicas e bi com bifobia internalizada, sejamos sinceros aqui).

        Uma coisa que eu preciso enfatizar é que nós mulheres que gostamos de mulheres sempre parecemos nos preocupar com a forma que tratamos as outras (salvo alguns casos extremos de radfem e reprodução de machismo e heteronormatividade) mas a principal diferença entre o homem hétero e a mulher lésbica e bi é ver a outra como um todo, quando realmente gostamos dela, não apenas como um corpo que dá prazer, pelo menos pra mim é assim. Eu realmente acho o corpo feminino super atraente, mas prefiro ver também a humanidade delas e a forma como me tratam, isso é importante.  O homem parece às vezes enxergar as mulheres como objetos onde eles podem usar e abusar à  vontade e não é em assim. Acho que para demostrar que gosta de mulher, não precisa olhar de cima embaixo e enfatizar o quanto ela tá ou é gostosa, mas observar  o quanto ela é e está linda e como ela faz seu dia valer a pena, como te apoia, e não o quanto ela te fará gozar na cama e tchau, ou o troféu de caça que ela vai representar para seus amiguinhos pra que você se auto afirme como macho alfa.  S e esses conceitos mudarem na cabeça de homens, talvez a relação hétero deixe de ser trabalhosa, e ainda assim, para bissexuais, continuará  havendo dois caminhos para ser feliz.

terça-feira, 30 de outubro de 2018

36. Um gay se descobrindo bi.Será que isso seria um tabu?

Eu quero indicar dois filmes que abordam esta temática, aliás, são os únicos que exploram essa descoberta que não é muito comentada, nem cogitada. O comum é ver mulheres  lésbicas ou héteros se descobrindo bi. Existe muito preconceito entre os homens e também de forma externa quanto à essa possibilidade, por isso muitos escondem que sentem mais de um desejo, porque sabem quais serão os apontamentos (acusações) e diagnósticos e isso trará um peso da culpa. "Então você estava mentindo?" , "Está virando hétero agora?" "Quer ser um gay enrustido?" "E quando você quiser homem de novo? Vai fazê-la sofrer!" Tem também aquela preocupação de ter tudo certo trabalho pra se aceitar, pra fazer a família se acostumar, e sentir que  todo esse esforço foi em vão, já que no fim das contas, se descobre que não sente atraído apenas por homens e poderia sim se relacionar autenticamente com uma mulher. É confuso, então muitos preferem sustentar que são gays, porque assim não precisam mexer naquilo que  já estava certo pra si. É claro que  não é com todos que ocorre esse tipo de descoberta, alguns permanecem homo, mas quando veem que há possibilidade de "mudar de rumo", com certeza assusta, e se esse for o seu caso, você perceberá claramente os sinais, mas isso leva tempo. E não existe uma época limite para definir isso, pois têm caras que se consideravam gays convictos por muito tempo, nunca  haviam sequer sentido ou cogitado experimentar algo com uma mulher, mas com o tempo foram começando a descobrir uma atração genuína,  tanto quanto sentem por homens. E não, você não estará virando hétero, mas apenas descobrindo outra possibilidade, então tá tudo bem!


Não vou colocar spoilers, mas o que me incomoda nesses filmes é a tentativa de ocultar a bissexualidade desses homens e colocando como se fossem gays que "resolveram" ficar com uma mulher, quando é algo relativo e não se trata de escolhas. Mas tirando esse detalhe, vale  muito à pena ver!


 Os filmes em questão são "Namorando uma mulher" e "Beijei uma garota" (este segundo vocês encontram no Telecine Play).  Vou deixar os resumos e vocês decidem qual assistir, se veem os dois e comentem o que acharam.




Sinopse
Homossexual convicto, Jérémie (Pio Marmaï) um dia acorda ao lado de uma bela e sedutora jovem sueca (Adrianna Gradziel), que conheceu em uma noite de bebedeira. A situação o coloca em pânico, já que está prestes a oficializar o casamento com Antoine (Lannick Gautry), seu companheiro há 10 anos. Tentando...






Resultado de imagem para beijei uma garota telecineplay




SINOPSE E DETALHES


Tom Herzner (Kostja Ullmann), um ícone para a comunidade homossexual, está ansioso para lançar sua linha de produtos de beleza. No entanto, um romance inesperado surge durante sua pesquisa de mercado, enquanto trabalha disfarçado em um salão dirigido por uma mulher.

Resultado de imagem para namorando uma mulher filme

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

35. A superficialidade atual dos relacionamentos

Você já deve ter percebido várias pessoas usando frases do tipo "a fila anda", "enquanto não aparece a certa, me divirto com as erradas", "solteira sim, sozinha nunca", "eu pego, mas não me apego".  O que tudo isso reflete? Uma sociedade fugindo de relacionamentos a longo prazo.

Pessoas que têm uma visão mais romântica da vida e das relações estão sentindo mais esse peso, e o peso passa a ser ainda maior quando essa pessoa nunca pôde desfrutar de um relacionamento sólido e saudável, ou porque nunca teve a oportunidade de se unir a alguém ou porque até teve, mas fora uma relação  tóxica, abusiva. Não é difícil pensar nos motivos que levam alguém a desistir do modelo de relacionamento que muitos dizem que esperam,  mas  depois fogem dele. 


- Independência: algumas pessoas tem medo de perder a liberdade ou ficar em função de alguém. Há o medo de cobranças e ter que dar satisfações também;

- Medo de novas decepções: ao contrário do que muitos pensam, sucessivas frustrações não promovem amadurecimento, mas um endurecimento das emoções. Há quem tente ignorar seus próprios sentimentos e necessidades, mas o medo de se envolver  novamente   e quebrar a cara as vezes é tanto que há um esfriamento real dos sentimentos e da capacidade de se apaixonar..

- Modinha: querer pagar de  desapegado, só porque prega-se isso, mas no fundo sucumbi a uma relação, mesmo que não seja com a pessoa desejada.


- Inversão de valores: o mundo moderno e agitado obriga as pessoas a priorizarem estudos e  o lado profissional, deixando de lado as relações:  os conjugais (e até mesmo as amizades de longa data);

- Demisexualidade/falta de afinidades:  há pessoas que só conseguem se envolver amorosamente se já tiver um bom convívio, e para amizades só quer pessoas mais próximas, conhecidas em ambientes físicos;

- Segurança/falta de confiança: o medo de confiar sua vida a alguém que diz ser uma cosia e depois se descobre ser outra também bloqueia.


- Apego a um tipo de preferência: há pessoas que não  conseguem diversificar suas preferências e acreditam que certos tipos de pessoas não são aptos pra se relacionar. O medo de dar chance pra pessoa erradas (caso isso já tenha sido feito) e da história  e repetir também contribuem para essa defensiva que se transforma em auto preservação.  Ao menor sinal de isso acontecer, mesmo que haja entusiasmo, a pessoa recua e desiste  de tentar.


O problema  é que deixamos de dar chance a nós mesmo e de certas pessoas que ficam excluídas porque acabam almejando algo que a maioria não quer. Eu por exemplo não consigo deixar um homem se  aproximar apenas pra sexo, tem que ter alguma amizade. Com mulheres também, mas até consigo me envolver sexualmente sem afeto, apesar de não ser essa minha preferência. Mas o que quero dizer aqui é que as pessoas estão mais fechadas, mais intolerantes individualistas, preocupadas apenas com seu mundinho e invólucro e não deixam outras pessoas entrar. Essas mesmas pessoas acusam as pessoas que elas mesmas excluem de não dar chances a ninguém, quando sabem que isso não é verdade. No face poucas pessoas se identificam quando querem adicionar  alguém,  e isso faz com que pessoas legais nem tenham chance de ser adicionadas. Precisamos saber diferenciar pessoas bacanas de pessoas sanguessugas que só querem usar alguém pra   se auto afirmar. Mas como podemos  fazer isso? Dando uma chance, conhecendo um pouco da pessoa. Se realmente perceber que não te fará bem, exclua, mas não sem antes de uma  conversa. Arriscar as vezes é preciso. Tem gente que acha que é melhor não se envolver do que sofrer outra vez, mas essa pessoa morre de vontade  e de esperança em viver algo lindo, então porque o medo?


Enquanto as relações forem líquidas, as emoções vão sumindo e os relacionamentos perdem o significado e o molde tradicional de cumplicidade e poder demonstrar os sentimentos, essa é a real essência de uma relação,mas está se perdendo para as relações rápidas e vazias. O medo exagerado  do apego,  a preocupação doentia  em ter sempre o  controle da relação e a crença de que sentimento te torna frágil e vulnerável te afasta de uma relação realmente saudável,  verdadeira e intensa. Com isso se perde o poder da empatia pelas pessoas e por si mesmo. Não podemos deixar isso acontecer.

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

34.Por que mesmo sendo bi, eu prefiro me considerar lésbica?

Para algumas mulheres, se entitular lésbica é uma questão política e de resistência. Para mim é uma questão de resistência no sentido de não me sentir obrigada a me enquadrar na orientação bi quando quero me relacionar predominantemente com mulheres. E também  confesso  que ainda é difícil pra mim lidar com algumas questões, como a bifobia externa e internalizada, mas devido a experiências não muito agradáveis que eu chamo de malfadadas. Geralmente digo que sou uma bi homoafetiva ou lesbocentrada, porque é assim que me sinto. Embora eu ainda tenha alguma atração por homens, já não é o mesmo entusiasmo de uns 20 anos atrás. Em 2012,  quando ainda havia o orkut, li uma frase sobre uma garota bi que passou a se relacionar com mulheres: "É muito mais trabalhoso sustentar um relacionamento hetero". Concordo, existe a cobrança por um casamento tradicional, com um homem perfeito, e muita  vezes não pé isso que acontece.  As relações estão mais líquidas, os homens estão ainda mais superficiais, mais  ávidos por sexo e relações rápidas, justamente por serem isentas  de cobrança de uma postura de mais responsabilidade, e o casamento e a paternidade exigem isso. Poer isso vejo que  muitos não estão prontos para assumir esse posto, querem sempre o caminho mais curto, mais fácil. A mulher  parece que já nasceu com aquele senso de família e instinto materno, unindo dois espécimes predispostos a isso,  o resultado não poderia ser melhor, pois os ideais batem! Não estou aqui dizendo que não haja conflitos numa relação conjugal entre duas mulheres, porque há, mas digo que pelo menos nos requisitos principais, há maiores chances de entendimento e a constituição consensual de uma família, sem fugas. Mulher sempre foi mais predisposta ao diálogo numa relação, por outro lado vejo falhas na comunicação entre homens e mulheres, porque pensam diferente, as expectativas são diferentes. Homem quando perde o interesse na relação se acomoda, e não abre espaço para o diálogo, assim uma relação truncada, não   há entendimento. Quando prefiro me considerar lésbica, é porque busco alguém que se adeque melhor aos meus anseios, pois sinto que tenho mais  facilidade para me envolver. Mas sendo bi, se algum dia a "relação hetero" se mostrar acessível e equilibrada, posso me sentir a vontade com no máximo o título de bissexual. Mesmo assim, creio que ainda me sinta mais  a vontade no universo do relacionamento lésbico, mesmo sendo bi, e muitas também se sentem pelas mesmas razões que apresentei. Esse foi um desabafo pessoal.

33.Monogamia, poligamia e poliamor


Resultado de imagem para poliamorResultado de imagem para poliamor
Num conceito muito rápido, monogamia é alguém que só consegue viver num relacionamento  individual, com uma pessoa, relacionamento fechado. Poligamia ou não monogamia é alguém aberto a ter um relacionamento com mais de uma pessoa. O amor livre é como um relacionamento aberto, onde as pessoas tem liberdade para ficar com outras fora da relação, mas com o consentimento da pessoa principal. A diferença do relacionamento aberto  para o poliamor é que no poliamor você pode ter dois parceiros/as, uma parceira e um parceiro fixos numa relação estável, enquanto no aberto, são relações mais sexuais ou passageiras/efêmeras, mas não duradouras, onde apenas o casal é o centro da relação estável. Parece confuso, mas acho que deu pra entender, né?!


Mas Dany, o que isso tem a ver com ser  bissexual? 

Muitas pessoas monogâmicas têm preconceito com esse tipo de relação mais aberta e considera traição ou "falta de amor", pois estão atreladas à ideia heteronormativa de "ser fiel à uma só pessoa". O casamento, principalmente o religioso, incutiu muito disso na nossa mente. Mas hoje em dia vemos que AMAR vai além disso. Há muitas pessoas que mesmo  aparentemente  felizes  em uma relação mono estável, sentem sim a falta de outra pessoa re podem se apaixonar por ela ou ele. Isso pode ser um problema na relação? Bem, se a contraparte não estiver aberta a relações não mono, aí pode sim. Vale ter uma boa conversa franca sobre esse desejo.

 O que precisamos entender é que, só se pode ser considerado traição se ocorrer sem o consentimento do parceiro/a. Caso a relação aberta ou poliamorosa seja minimamente consensual, não há traição, ponto. O que pode acontecer é que uma pessoa acostumada a  um relacionamento fechado pode ficar confusa e querer cair fora. Mas respondendo sobre a relação da bissexualdiade com tudo isso, é que muitos bi são mais aderentes a este tipo de relação, enquanto pessoas não "monodissidentes" podem achar isso estranho e ter a ideia errática de que "o bi tem mais propensão a trair". Já o fato de ter atração por dois (ou mais)  gêneros já intriga, imagine querer se relacionar com ambos simultaneamente! Eu sempre fui monogâmica, masa não descartaria uma relação poliamorosa, desde que eu tivesse afinidade com o casal ou as pessoas envolvidas.

Segue alguns videos sobre o assunto:









Você já viveu ou viveria uma relação assim? Conte nos comentários.

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Série filmes bi: "Prazer a três (kiss me again)" (2006)

Essa será a primeira postagem sobre filmes bissexuais. Quero falar um pouquinho sobre ele antes de postar o link. Normalmente se vê um estereótipo em relações bissexuais abertas, onde existe um homem e duas mulheres, a maioria dos filmes é assim, ou mostra a mulher tendo um desinteresse no homem, devido as particularidades que um relacionamento com outra mulher oferece.   Para quem já deseja saber um pouco antes de ver, essa é a base do enredo, um casal que se vê caindo na velha  rotina  do casamento e um acontecimento mudará essa rotina como se fosse uma nova possibilidade,  e a personagem Chalice se vê num dilema de como  manter sua relação de longa data,entrando em confronto com um antigo desejo, dividida entre ele e o sentimento de traição.


Deixem aí nos comentários o que acham desse filme.
Destaque para a música "Coming Home do Blow Up Hollywood nos créditos finais, ficou  na minha mente por dias...




sexta-feira, 5 de outubro de 2018

{Off topic] Ausência do blog

Sei que não precisaria dar essa satisfação, mas dei um tempo com o blog, por motivos pessoais. Estou procurando emprego e também conhecer pessoas novas, mas isso não esta sendo possível. Vi que alguns tópicos tiveram comentários, mas a maioria somente visualizações. Pretendo fazer um canal no youtube, mas vou ter que bloquear comentários pra não sofrer ataques virtuais, o que é muito comum entre youtubers, pelo menos até conseguir um púbico mais fixo e fiel. Quero continuar  criar conteúdos por aqui, ainda tenho 13 rascunhos, mas falta inspiração.  Já vi muita gente deixar r temporariamente ou pra  sempre  a militância por estar prejudicando psicologicamente. Pra ter motivação preciso  saber que meu conteúdo é motivação para outros, ou não terá sentido. Quando a inspiração voltar, eu retorno.